O NATAL E A ERA DE AQUÁRIO – Uma Abordagem Diferente

“Saudações, Grande Médico do mundo!
Saudações, poderoso Infante que no porvir
Curará as nações e defraudará o túmulo.
Rápido seja Teu crescimento, Teus ilimitados triunfos
Fazem crescer os reinos e aumentar a humanidade.

Tua ousada arte animará os mortos,
E atrairá sobre Tua culpada cabeça o trovão;
Então morrerás, mas da morada das trevas
Te elevarás vitorioso e serás por duas vezes Deus.”

Winston Churchill, comentando o processo da evolução humana, disse que “...no passado, tivemos a luz que vacilava; no presente, temos a luz flamejante; no futuro, haverá uma luz que brilhará sobre a terra e o mar.”

Sabemos que “por tempos incontáveis o período no qual o Sol se move novamente para o norte (do nosso ponto de observação na Terra) tem sido considerado como época festiva. Por milhares de anos tem sido associado à vinda do Deus-Sol para salvar o Mundo, para trazer luz e fertilidade à Terra e, através do Trabalho do Filho de Deus, trazer esperança à humanidade”. A época do Natal é vista, por aqueles que nada mais conhecem, apenas como a festa do Cristo e um período bom para o comércio. O Fundador do Cristianismo serviu desse período e veio a nós no escuro do ano e iniciou uma nova era na qual a Luz seria a nota distintiva. Isto é verdade sob vários ângulos, mesmo no puramente físico, pois hoje temos um mundo iluminado. Luzes podem ser vistas abundantemente em toda parte e as noites escuras como breu desapareceram. A Luz também desceu à Terra na forma de “luz do conhecimento”. Hoje a educação, cujo objetivo é levar os homens ao “caminho iluminado”, é a nota tônica da nossa civilização e a preocupação maior de todos os povos. A remoção da ignorância, o desenvolvimento da cultura verdadeira e a investigação da Verdade em todos os campos do pensamento e da pesquisa são de suprema importância em todos os países.

Ao afirmar “Eu Sou a Luz do Mundo”, Ele inaugurou um período maravilhoso no qual a humanidade tem sido ampla e universalmente iluminada. A mensagem do Nascimento do Cristo ressoa sempre nova, mas nem sempre compreendida. O Dia de Natal tem sido reconhecido como época de melhores contatos e relações entre as pessoas, sendo tudo muito efêmero. É-nos ensinado que a ênfase durante a Era de Aquário, na qual já estamos, se deslocará de Belém para Jerusalém, e do Salvador Infante ao Cristo Ressurreto. Que Pisces – os Peixes – viu, durante dois mil anos, a expansão da Luz, mas Aquário verá a Luz Ascendente, “que brilhará sobre a terra e o mar”. Que a história do Nascimento será vista como a história de cada discípulo e iniciado que recebe a primeira iniciação e torna-se, no seu tempo e lugar, um servidor e um portador da Luz.

Qual é a nossa posição nesse cenário de Luz? Somos partícipes recheados de letargia pela nossa torpe vilania, nossa infantil e errônea abordagem da vida: nascemos livres e vivemos acorrentados. Prisioneiros da nossa ignorância. Robert Brownig nos ajuda a entender: “A Verdade está dentro de nós, não surge de coisas externas, creia-o ou não. Existe em nós um íntimo centro onde mora a Verdade em toda a sua plenitude; e ao seu redor a densa matéria a encerra em muros. O melhor saber consiste em abrir caminho pelo qual possa escapar do que promover a entrada de uma luz que se supõe vir do exterior”. Então a Verdade está em nós; a Luz está em nós. Podemos, categoricamente, afirmar como o maior de todos os Salvadores do Mundo, Que nos deixou o definido comando de seguir Seus passos: “Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida”. “Eu Sou a Luz”.

Deixemos, então, brilhar essa Luz que no passado vacilava, e que brilhará intensamente se a alimentarmos com a energia do Amor e da Vontade para o Bem; energia que propiciará os meios de aproximação entre uma nação e outra, um povo e outro, um homem e outro homem, estabelecendo corretas relações humanas e ancorando de vez entre nós a paz e a harmonia verdadeiras, pressupostos indispensáveis da Humanidade Una, expressão máxima da Era de Aquário.

Se quisermos, a Luz brilhará com todo seu esplendor. Somente assim Cristo estará plenamente em nós e, plenamente, seremos Um com Ele. El Morya nos indica o caminho: “...quando o mal te rodeia e o círculo parece haver-se fechado, somente sobrará o caminho ascendente para o Senhor. Então sentirás que o Senhor está em algum lugar, não muito longe... Tens somente que estender a mão”.

Louvemos, como Ovídio nas suas “Metamorfoses”:

“Saudações, Grande Médico do mundo!
Saudações, poderoso Infante ...”

(texto adaptado)
JCB

Início