Navegação

A CIÊNCIA DO ANTAHKARANA


A Técnica da Construção

É minha intenção ser muito prático. A construção do antahkarana, que é conscientemente realizada no Caminho do Discipulado, é um processo seguido sob certas e comprovadas regras. Quando essas regras são corretamente seguidas, a sequência de acontecimentos e o aparecimento dos resultados desejados são inevitáveis. Há muita coisa que eu poderia dizer que teria pouca utilidade para o estudante comum, uma vez que estaria relacionada a realidades subjetivas que - embora existentes e fatos ocultos em um processo natural - são ainda irrealizáveis. Meu problema é apresentar o problema de modo tal que - por volta do fim deste século - os educadores estejam pensando, falando e ensinando em termos de construção de pontes, desse modo abordando afirmações básicas que têm um definido significado em relação a este ponto que estamos considerando. Muito sucintamente, gostaria de chamar a atenção para algumas delas:

1. O conhecimento-força expressa-se através do fio da consciência e do fio criativo.

2. Esses dois fios são, para o discípulo, uma fusão do conhecimento passado (o fio da consciência) e do presente (o fio criativo).

3. O fio da vida ou sutratma, propriamente, está estritamente fundido com esses dois. Temos então atma-budi-manas (este último sendo o agente da criação) funcionando, até um certo ponto, conscientemente no aspirante.

4. A fusão da personalidade e da alma está em processo, mas quando alcança um certo ponto, torna-se aparente que uma certa atividade criativa da Vontade é necessária para fazer a ligação entre a Tríade Espiritual e a personalidade, via a alma.

5. A ponte que precisa ser construída é tecnicamente chamada o antahkarana.

6. Esta ponte tem de ser construída pelo aspirante que está focalizado no plano mental, porque é a substância mental (nos três graus) que precisa ser usada, e os três aspectos da mente - o átomo manásico permanente, o Filho da Mente ou Ego, e a unidade mental - estão todos envolvidos no processo.

Os estudantes fariam bem em aprender que este processo de construção do antahkarana é um dos meios pelos quais o homem, a trindade, se torna a dualidade. Quando a tarefa está completa e o antahkarana definitivamente construído - produzindo assim o perfeito alinhamento entre a Mônada e sua expressão no plano físico - o corpo da alma, o corpo causal é finalmente completamente destruído pelo fogo da Mônada descendo pelo antahkarana. Há então completa reciprocidade entre a Mônada e a alma plenamente consciente no plano físico. O "intermediário divino" não é mais necessário. O "Filho de Deus que é o Filho da Mente" morre; o "véu do templo é rasgado de alto abaixo"; a quarta iniciação se completa, e então, vem a revelação do Pai.

Este é o extenso resultado final da construção da ponte que é, na realidade, o estabelecimento de uma linha de luz entre a Mônada e a personalidade como uma plena expressão da alma - entre espírito e matéria, entre o Pai e a Mãe. É evidência de que "o espírito montou nos ombros da matéria" para aquele alto lugar de onde ele originalmente veio, mais o ganho da experiência e do pleno conhecimento, e de tudo que a vida na forma material podia dar e de tudo que a experiência consciente podia conceder. O Filho fez o Seu trabalho. A tarefa do Salvador ou do Mediador foi completada. A unidade de todas as coisas é reconhecida como um fato na consciência, e um espírito humano pode dizer com intenção e com entendimento: "Eu e meu Pai somos um".

A breve declaração acima é provavelmente sem sentido exceto teoricamente, mas resume a tarefa que está adiante e o trabalho do discípulo que está em processo de construir o antahkarana. Há uma estreita relação entre a quarta iniciação, o quaternário em sua condição desenvolvida - corpo vital, veículo emocional, mente e alma - e esta quarta etapa técnica de construir conscientemente a "a ponte do arco-íris". Temos portanto:

1. O Quaternário, o fator criativo na Terra.

2. A quarta iniciação, a da Crucificação.

3. O quarto estágio técnico de construção do Antahkarana:

a. Sutratma, o fio da vida.
b. O fio da consciência.
c. O fio criativo, ele próprio tríplice.
d. O antahkarana técnico, ligando a personalidade tripla e a Tríade Espiritual.

4. Os quatro estágios do Caminho do Retorno:

a. O estágio da própria evolução.
b. O estágio do Caminho Probatório.
c. O estágio do Caminho do Discipulado.
d. O estágio do Caminho da Iniciação.

No entanto, é a mesma entidade participante e responsável por todos os diferentes aspectos, passos e etapas - experimentando, vivenciando e expressando conscientemente em cada um desses estágios ou modos de vida, até à quarta iniciação. Então, a própria consciência dá lugar à vida, e contudo, permanece ela mesma. A esta declaração junte-se o fato de que é o quarto reino na natureza que é submetido a tudo que está indicado acima e condicionado pelos quatro aspectos do sutratma. Uma vez tenha isto sido percebido, a beleza do simbolismo e os relacionamentos numerológicos emergem significativamente.

Início