Navegação

Página Inicial

AS INICIAÇÕES


OS RAIOS DE ASPECTO E AS INICIAÇÕES SUPERIORES

Nós completamos nossa consideração sobre o efeito dos quatro Raios de Atributo sobre a humanidade como um todo e sobre o discípulo individual. Se vocês estudarem a relação destes raios uns com os outros, descobrirão que as energias que fizeram seu impacto sobre o futuro iniciado foram, primeiro de dois raios; o sétimo Raio da Ordem Cerimonial e o quinto Raio da Ciência que estão ambos na linha do primeiro Raio da Vontade e Poder, mais dois outros raios, o sexto Raio da Devoção ou Idealismo e o quarto Raio da Harmonia através do Conflito, que estão ambos na linha do segundo Raio de Amor-Sabedoria. Todos estes Raios de Atributo estavam - em relação com as iniciações que lhes dizem respeito - funcionando dentro do reino do conhecimento; é um conhecimento, porém, dedicado eventualmente, ao intento espiritual e obtido através do conflito.

Chegamos agora à consideração dos três Raios de Aspecto e seu geral e momentoso efeito sobre a humanidade neste ciclo, e sobre o discípulo preparando-se para a iniciação. Estamos, pois, lidando com

Raio 1. Vontade ou Poder, ativo em conexão com a 5a Iniciação.
Raio 2. Amor-Sabedoria, ativo em conexão com a 7a Iniciação.
Raio 3. Inteligência Ativa, ativo em conexão com a 6a Iniciação.

A atividade unificada desses três raios levanta a humanidade para os reinos espirituais superiores e diz respeito àquelas iniciações que estão muito distantes da humanidade. Elas estão, também, a considerável distância no Caminho do ponto presente do discípulo comum. Estou tratando delas, porém, o melhor que posso, porque os próximos cem anos verão uma demonstrável orientação de discípulos treinados para a percepção superior. Vocês usarão esta informação como puderem; ela diz respeito, primariamente, à ação dentro do Ashram - ação que, contudo, diz respeito ao desenvolvimento e bem-estar humanos.

A 8a e 9a iniciações, governadas pelos quatro Raios de Atributo trabalhando em síntese e simultaneamente com os três Raios de Aspecto, estão, necessariamente, muito longe da nossa compreensão. Há pouco que possa dizer-lhes porque eu próprio pouco sei.

Esta declaração surpreende vocês? Não deveria. Sob o ângulo exotérico, evolução significa crescimento e desenvolvimento e aplica-se principalmente ao lado forma da natureza, e o termo “evolução" pode assim ser inteiramente confinado à evolução da natureza da forma. Ele pode também aplicar-se ao desenvolvimento dentro dos três mundos e ao terceiro aspecto da Vida divina. Porém, sob o ângulo esotérico, evolução significa uma constante e crescente sensibilidade à luz e iluminação. Um Mestre pode não possuir todo o conhecimento possível sob o ângulo exotérico. Ele não precisa disto porque - depois da evolução, segundo a linha de conhecimento, decidida para Ele pelo Seu tipo de raio - Ele está no “caminho da luz”, e a luz que está Nele e na qual Ele vive, move-se e funciona serve a um duplo propósito:

1. Ela pode ser usada para averiguar tudo que for necessário no reino do conhecimento pela revelação de onde a necessária informação pode ser encontrada; isto é mais literalmente assim do que vocês possam imaginar. Foi através do uso desta forma de luz que eu, por exemplo, encontrei A. A. B. Eu estava procurando uma secretária com mais educação do que a comum e percepção maior do que a geralmente encontrada, e a luz revelou-a sob o ângulo da personalidade nos três mundos.

2. Ela pode ser usada também para revelar ao Mestre aquilo que está adiante Dele, e aqueles rasgos de percepção que Ele sabe que, finalmente, alcançará.

Os aspectos inferiores desta luz são, na realidade, gerados pela alma, enquanto que os aspectos superiores são aqueles que emanam da Mônada. Quando um iniciado recebe a quinta iniciação (da qual vamos agora tratar) ele tem de demonstrar sua facilidade em usar a “luz disponível" iniciando algum novo projeto segundo a linha do Plano hierárquico e em sintonia com os impulsos de seu próprio raio. Este projeto precisará ter ambos os lados exotérico e esotérico. Ilustrando um pouco mais: o lado exotérico do trabalho que eu - tornando Mestre recentemente - tinha proposto fazer pode ser visto nas atividades que eu tenho conseguido realizar no mundo externo através dos livros que ditei para A. A. B. e no estabelecimento das Atividades de Serviço, associadas à Escola Arcana. O lado esotérico é do meu conhecimento, mas analisá-lo seria inútil para vocês, uma vez que lhes falta a necessária consciência própria do iniciado.

Vocês poderão ver, contudo, como a informação acima pode lançar alguma luz sobre o nosso tema imediato:

5a Iniciação. Revelação. Raio 1.
A Energia da Vontade-para-o-Bem. Poder.

Esta iniciação tem sido sempre chamada pela Igreja, de Ressurreição, embora a sétima iniciação seja a verdadeira ressurreição. O nome correto para a quinta iniciação é Revelação; isto significa o poder de manejar a luz como a transportadora de vida para tudo nos três mundos, e de conhecer, igualmente, o passo seguinte a ser dado no Caminho da Evolução Superior. Este Caminho é revelado ao iniciado numa nova luz e com um significado inteiramente diferente quando é feita a quinta iniciação. É o verdadeiro momento de emergência da tumba da escuridão e constitui uma entrada para uma luz de natureza inteiramente diferente da luz até então vivenciada.

Desenvolvimento e revelação ou, se preferirem, uma revelação em desenvolvimento, formam, essencialmente, o tema e objetivo de toda atividade no nosso planeta. Isto nos fornece uma pista para a meta do Logos planetário. Toda a vida, desde a primeira descida da alma à encarnação, nada mais é do que uma série de revelações, todos elas conduzindo à revelação concedida na quinta iniciação. A revelação entre a quinta e a sétima iniciações é supremamente profunda e misteriosa. É a revelação concedida na quinta iniciação que torna possível a sétima iniciação. O Mestre, ao emergir, na quinta iniciação, para a luz do dia, compreende naquela luz:

1. O verdadeiro, e até então, desconhecido significado dos três mundos que ele tem olhado quase que inteiramente sob o ângulo do significado. Agora, sua significância é aparente, e a revelação é tão tremenda que “ele se retira para o mundo da luz e junta-se a seus irmãos. Ele reúne todas as suas forças e procura nova luz no Plano. Essa luz brilha irradiante e com a força de seu poder revelador, novas lealdades surgem, novas metas são vistas, e aquilo que será e a coisa que é, ambos perder-se-ão na radiante luz da revelação.”

2. Que a primeira vibração ou energia influenciadora do raio cósmico de energia predominante em seu aspecto superior é o Raio de Amor-Sabedoria, e este é agora contatado; isto é tornado possível pela resposta do Mestre ao primeiro Raio de Poder ou da Vontade-para-o-Bem, vivenciado em seu segundo aspecto na quinta iniciação. Não se esqueçam que todos os raios têm três aspectos, e que todos os três podem ser contados pela consciência humana do homem espiritual, colocando assim à sua disposição as energias dos sete raios e as vinte e uma forças. É esta síntese que é revelada na quinta iniciação e - como disse acima - a combinação das três forças produz a Ascensão; este é um grande e extraordinário mistério que vocês ainda não conseguem apreender. Da altura do Monte da Ascensão a luz jorra sobre o Plano hierárquico de tal maneira que o propósito na mente do Logos planetário é, pela primeira vez, verdadeiramente apreendido.

3. Dessa altura, também, é revelado o mistério da alma humana e será visto um grande padrão triangular, relacionando o espírito humano ao mundo das formas, à Hierarquia unida e à Câmara do Conselho do Senhor. Não posso alargar-me sobre isto, porque não devemos fugir muito do nosso estudo. Só uma coisa pode ser dita: daquele elevado lugar, atma- budi-manas (vontade, amor e ação inteligente) podem ser vistos em atividade unida, e a teoria de um Plano existente e a crença nos três aspectos divinos ou na Trindade de Energias, são factualmente demonstrado.

O primeiro Raio da Vontade ou Poder distingue-se pela mais elevada qualidade divina conhecida (há outras ainda mais elevadas). Na palavra Boa Vontade está oculto o propósito do Logos planetário, o qual tem sido lentamente trazido à atenção do público por meio de três expressões: Deus é Amor. Boa vontade. A Vontade-para-o-Bem. Estas três expressões, na realidade, dizem respeito aos três aspectos do primeiro raio.

Quando um Mestre passa pela quinta iniciação, ele já conhece o significado dos dois primeiros aspectos, e precisa tornar-se consciente do aspecto mais elevado, a Vontade-para-o-Bem. Ele já desenvolveu em Si Mesmo “o amor necessário à salvação, Sua própria e a daqueles que Ele ama, Seus semelhantes.” Todas as suas ações e Seus pensamentos estão qualificados pela boa vontade, no seu sentido esotérico, e a significância da Vontade-para-o-Bem está diante Dele e será mais tarde revelada.

Como este primeiro raio não está em encarnação nesta época, e portanto, as almas que poderiam expressá-lo plenamente estão ausentes, todo o tema sobre este tipo de energia e sua influência e qualidade quando relacionadas às energias e às forças, é grandemente difícil de expressar. Cada grande raio, ao entrar em encarnação, transforma o discurso do ciclo, enriquece o vocabulário existente, e traz novos conhecimentos à humanidade; as muitas civilizações - passadas e presentes - são o resultado disto.

Peço-lhes que considerem a relação da quinta iniciação, do quinto Raio da Ciência e do primeiro Raio da Vontade, pois aí reside a chave para a revelação concedida ao Mestre-iniciado.

Como podem ver, estamos-nos aventurando em reinos muito distantes de vossa compreensão; mas, o esforço para apreender o que é inevitável, e o exercício da mente nestas linhas de pensamento abstrato é sempre de grande valor.

É preciso lembrar, pois, e eu insisto, que a revelação concedida ao discípulo-iniciado está na linha do primeiro Raio da Vontade ou Poder, e que esse raio está ainda muito longe de sua plena manifestação. Sob um ângulo, ele está, é claro, sempre em manifestação, pois ele é o raio que sustenta o planeta e tudo que está sobre ele num todo coerente em manifestação. A razão para esta coerente síntese é o esforço evolutivo para realizar o propósito divino. O primeiro raio sempre implementa esse propósito. Por outro ângulo, ele é cíclico em sua manifestação; aqui quero dizer, sob o ângulo de manifestação reconhecida - como é o caso nesta época.

O Efeito do Raio 1 sobre a Humanidade Hoje

Devido à estimulação extraplanetária, à imediata crise planetária e ao atual apelo invocativo da humanidade, a energia de Shamballa teve permissão para agir sobre “o centro a que chamamos a raça humana", e produziu dois potentes resultados: primeiro, a guerra mundial foi precipitada, e segundo, a fissão do átomo foi efetuada, resultando na bomba atômica. Estes dois eventos tornaram-se possíveis devido ao jorrar da energia e poder do terceiro aspecto do primeiro Raio do Poder ou Vontade. Este é o aspecto inferior, e definidos efeitos materiais foram produzidos. O aspecto destruidor foi, portanto, o primeiro a fazer efeito. Ele rompeu o pensamento-forma da vida materialista (que estava governando e controlando a humanidade em toda parte) no plano mental e, ao mesmo tempo, produziu um grande agente de destruição no plano físico.

Assim foi a nova era introduzida, assim foi armado o palco para um futuro melhor. Este era o intento e o propósito Daqueles Que compõem a Câmara do Conselho do Senhor. Cabe à própria humanidade tirar vantagem da oportunidade oferecida que esta manifestação destrutiva tornou possível.

Não obstante ter Shamballa agido desta maneira, é a Hierarquia que trará à expressão uma certa medida do segundo aspecto do primeiro Raio da Vontade ou Poder, e é para isto que a Hierarquia Se está preparando; é para este acontecimento que o Cristo Se está adaptando para ser o Agente distribuidor e o Fator direcionador, com a concentrada assistência da Hierarquia unida; é isto que começará a manifestar-se quando Ele aparecer. Têm vocês aqui a verdadeira razão para a Sua proclamada Vinda ou Reaparecimento. A distinção entre a vida material e a vida espiritual será claramente demonstrada. Isto se tornará possível pela clivagem do antigo materialista pensamento-forma nos níveis mentais; a reorientação do pensamento humano, à medida que este fato for apreendido, terá seus primeiros resultados nos níveis emocionais através da expressão focalizada da boa vontade humana; este é o aspecto inferior do segundo Raio de Amor-Sabedoria, implementado e fortalecido pelo segundo aspecto do primeiro Raio da Vontade.

No plano físico, a grande descoberta científica chamada coloquialmente a “divisão do átomo", voltar-se-á, eventualmente, para a produção daquelas condições que capacitarão a humanidade a seguir o bem, o belo e o verdadeiro. Isto os homens serão capazes de fazer então, livres da terrível presença do pensamento puramente materialista. Esta não é uma visão infundada ou um sonho vago. Muitos cientistas hoje, e particularmente aqueles que amam seus semelhantes, não estão somente visualizando o aspecto destrutivo da energia atômica, mas já estão empenhados em utilizar - para o bem da humanidade - alguns de seus produtos e suas propriedades radioativas.

Curiosamente, é o sábio e controlado uso dos resultados desta aventura científica em conexão com a bomba atômica que, eventualmente, produzirá uma específica revelação da natureza de certas forças em relação com a luz; este acontecimento transformará o pensamento do mundo e conduzirá a um novo tipo de processo transmutativo, no que diz respeito ao homem.

Não se deve deduzir do que foi dito acima que a humanidade, como um todo, estará recebendo a quinta iniciação, pois tal não é o caso. Muitas almas avançadas (talvez chegando a muitos milhares) poderão certamente fazer esta iniciação, porém, as massas dos homens em toda parte, constituindo a soma total do discípulo mundial, eventualmente, farão a primeira ou a segunda iniciações. Porém, o efeito de acontecimentos hierárquicos, em conjunção com Shamballa, conduzirá, finalmente, à grande estimulação do quinto Princípio de manas, o princípio inteligência no homem. Uma revelação que não é percebida, que permanece não- relacionada e não expressa, não é de verdadeiro valor para a humanidade, exceto sob um ponto de vista puramente subjetivo; não obstante, através da estimulação proposta, através dos esforços daqueles que fizeram ou farão a quinta iniciação, e através da nova direção da energia do primeiro raio de Shamballa, o plano mental receberá um tal influxo de energia que o princípio do pensamento, o fator racionalizador dentro da humanidade, alcançará novas alturas. Assim, a luz “fluirá às mentes humanas”, e a primeira estrofe da Grande Invocação provará que a humanidade pode receber uma resposta ao seu apelo invocativo.

Seria bom permitir que a sua imaginação espiritual olhasse para o futuro, e então visualizassem - se puderem - qual é o verdadeiro significado da tremenda atividade da Hierarquia. Um dos sinais da vinda do influxo desta nova luz e energia é definidamente curioso; ele encontra-se na instabilidade do mecanismo mental humano e nos processos humanos de pensamento atualmente. Isto é devido à sua prematura resposta à nova potência que chega. É uma reação de massa e, portanto, a estatística dos retornos é algo enganadora. São aqueles que não estão preparados os que reagem assim, e isto não permite um reflexo possível sobre esses assim afligidos e que se encontram hoje em todas as classes e nações. A Lei do Renascimento cuidará desta reação, e na próxima encarnação estas mesmas pessoas entrarão num corpo físico melhor equipado. Na realidade, é esta energia de Shamballa em seu terceiro e destrutivo aspecto que está atuando sobre certos membros da família humana e, infelizmente, evocando uma rápida resposta. Digo-lhes isto para encorajá-los; a destruição sempre evoca questionamento nas mentes afinadas com o bem-estar humano e naqueles pensadores que são perceptivos do sofrimento a que seus semelhantes estão sujeitos.

Uma das coisas mais difíceis para o pensador comum entender e interpretar são os processos destrutivos daquilo que ele (por falta de um nome melhor) chama “a vontade de Deus”. Este é um dos resultados (e apenas um) de uma civilização puramente materialista que deu toda ênfase ao lado forma da experiência e assim considera o bem-estar físico e o conforto físico, mais as posses materiais, como a verdadeira meta de todo esforço humano. É sobre esta generalizada atitude e reação que a nova luz entrante se concentrará; como a luz revela a realidade, o mundo dos fenômenos e o mundo dos valores espirituais entrarão numa melhor e direta relação.

A partir do que foi dito acima, vocês notarão que alguns dos efeitos sobre a humanidade como um todo e o esqueleto da estrutura do novo e belo futuro terão lugar como resultado da nova atividade do primeiro raio entrante. Os detalhes não podem ser dados ainda, porém muita coisa foi dita sobre a causa básica e predisponente para permitir àqueles que leem refletir sobre o possível efeito, espiritualmente falando. O que virá é uma civilização de natureza diferente ainda que material, porém animada por um crescente registro pelas massas em toda parte de um emergente objetivo espiritual que transformará toda a vida e dará novo valor e propósito àquilo que é material.

A seguir, nós precisamos considerar qual será o efeito desta energia do primeiro raio sobre o discípulo individual enquanto ele se prepara e passa pela quinta iniciação, e se harmoniza em preparação para a prometida revelação, mantendo-se assim aberto a um influxo de força inteiramente nova. Isto é algo que ele tem de fazer conscientemente. É a consciente absorção de energia e sua assimilação consciente, mais seu uso consciente que distingue o iniciado do resto da humanidade. Há, é claro, muitos graus desta desejada consciência. O que o iniciado receberá como resultado da energia do primeiro raio será um influxo do segundo aspecto deste raio - uma explosão de luz que claramente brilhará para ele, e num relance, o significado daquilo que, lentamente, está sendo revelado na Terra. Ele vê esta visão in totum pela primeira vez. Na quarta iniciação, ele responde ao terceiro aspecto deste raio, o aspecto de destruição, o qual o despojou de tudo, e final e eternamente, destruiu tudo aquilo que o prendia nos três mundos do esforço humano. Assim foi a harmonia produzida através do conflito, e o sucesso do iniciado individual é a garantia do sucesso final do discípulo mundial.

Quando chegarmos a uma consideração do efeito deste raio na época da quinta iniciação, será preciso ter em mente que o discípulo já passou, em uma prévia encarnação, pela Iniciação da Renúncia, e já estabeleceu dentro de si mesmo uma condição de completa harmonia como resultado do conflito - um conflito que tem sido travado há milênios e cuja meta tem sido sempre a revelação. Assim como uma câmara fotográfica tem de estar corretamente focalizada para que possa corretamente registrar aquilo que está sendo visto, também esta harmonia finalmente alcançada, pode ser considerada como uma forma de orientação focalizada. Durante todas as muitas vidas vividas pelo discípulo, tem havido inúmeros momentos assim, porém breves e passageiros, servindo apenas para pôr em atividade a aspiração. Com o discípulo da quarta iniciação, que se está submetendo à quinta iniciação, a orientação e a focalização alcançadas tornam-se uma condição permanente. Isto é o prefácio de um ciclo, inteiramente novo, de experiência espiritual - a experiência da evolução superior - que conduz àquele grande momento quando a revelação dos sete Caminhos lhe é concedida na iniciação seguinte ou sexta Iniciação da Decisão.

No que concerne ao homem comum, a aspiração que o impulsiona é de natureza material e diz respeito ao seu bem-sucedido progresso no mundo da vida diária no plano físico. Podemos considerar a ambição como a expressão do aspecto inferior da aspiração. Esta ambição cobre todas as muitas fases do Caminho da Evolução, desde a ambição do inculto selvagem do início dos tempos para obter alimento e abrigo para ele e sua família até a ambição do moderno homem de negócios para alcançar o pináculo do ganho financeiro ou do poder. Tendo atingido esse objetivo, frequentemente acontece que, no caminho para essa oitava superior da ambição - a aspiração - poderá ocorrer um ciclo de vidas onde a ambição é direcionada para as artes criativas. A seguir, vem gradualmente a transmutação de todas essas ambições em constante crescente e consciente aspiração espiritual. O homem percorre então o Caminho Probacionário e, eventualmente, o Caminho do Discipulado, e à medida que sua ambição espiritual cresce e é seguida por igual crescimento em realização mental, ele passa de iniciação a iniciação, até que chega a culminação da quinta iniciação.

Todas as suas realizações passadas - tanto a sua realização material quanto a sua realização espiritual - a todas ele renunciou. Ele está livre de qualquer aspecto do desejo, o qual foi substituído pela vontade espiritual. Então, fortalecido pelo influxo da energia do primeiro raio de Shambala, e sem oferecer obstáculo em seu interior, como uma personalidade, ele está em posição de receber a estimulação que o fará “ver aquilo que é para ser revelado e aceitar a revelação”, transmutando-a naquela definida realização que lhe permitirá viver por meio de sua luz.

Vocês têm, portanto, certas palavras que dizem respeito ao método pelo qual a visão é concedida e dada a revelação:

1. Ambição, implementada pela determinação.
2. Aspiração, implementada pela devoção ou atenção uni direcionada.
3. Revelação, implementada pela vontade em seus dois aspectos inferiores.
4. Realização, implementada pela vontade em seu aspecto superior.

Resumindo, essa é a história evolutiva do “iniciado em boa posição” e é, basicamente, a história da vontade para o autoaperfeiçoamento, a vontade para o serviço à humanidade, a boa vontade, e finalmente, a vontade-para-o-bem. Podem ver, portanto, como o grande primeiro aspecto da divindade, através de seus três aspectos, é a oculta, básica e motivadora potência da vida e da evolução, desde a aurora do ciclo evolucionário.

O iniciado em boa posição olha para o interior do coração das coisas; ele forçou seu caminho para o próprio “Coração do Sol” (usando estas palavras num sentido “planetário” e não no sentido solar) e - a partir deste vantajoso ponto - ele torna-se consciente do “Sol Espiritual Central” e do Caminho da Evolução Superior que conduz, inevitavelmente, àquele centro seguro do Altíssimo. Os três mundos de vida material e o mundo de significado interno que a alma lhe revelou são agora deixados para trás; ele é, subitamente, confrontado com o mundo dos significados, com o verdadeiro mundo das causas e da criação e pelo reino do universal. Ele descobre que tudo que ele pensar sobre a Lei de Causa e Efeito era tão limitado que - à luz desta Evolução Superior - perdera, praticamente, o sentido, exceto como o A B C que ele poderia ensinar aos filhos dos homens. Ele percebe, através da revelação concedida, mais claramente do que até então fora possível, o Propósito do Logos planetário. A partir da terceira iniciação, este propósito começa a revelar-se gradualmente; ele o vê expressando-se através de Sanat Kumara, Que é a expressão da Personalidade do Logos planetário. Durante o intervalo que se segue e ciclo de preparação para a sexta iniciação, esse propósito explodirá sobre ele em resplandecente glória.

O Caminho para o Sol Central Espiritual lhe é assim revelado, e ele sabe que está diante de um período de intensa preparação (não treinamento, como essa palavra é usualmente entendida) por um período de tempo determinado pela necessidade mundial, a natureza de seu serviço e certas indefinidas condições de raio.

Ele tem de preencher a condição magnética que o capacitará a formar seu próprio Ashram; ele tem de desenvolver uma nova fase de seletiva discriminação espiritual. A palavra discriminação é, aqui, enganosa, porque a forma de discriminação que ele pode agora expressar não envolve qualquer qualidade de rejeição ou de separação. É um correto conhecimento e compreensão daqueles que estão carmicamente ligados a ele, um uso correto de uma força impulsionadora atrativa que, ocultamente falando, atrairá a atenção daqueles que devem entrar para o seu Ashram, acrescido de um processo esotérico de fundir-se a si mesmo e ao seu Ashram com todo o corpo da Hierarquia. Novos Ashrams dentro da Hierarquia apresentam quase que o mesmo tipo de dificuldade e problema como a entrada de um novo discípulo em um Ashram.

Podemos dizer que aquilo que mantém junta a Hierarquia, e aquilo que produz um Ashram coerente, é a revelação, recebida na luz que aquela revelação produziu e que conduz à realização. Responsabilidade ashrâmica, serviço constante na Vida planetária e a sujeição Dele Próprio e de Seu Ashram à estimulação cíclica de Shambala, acrescido de certos processos que nada têm a ver com a forma ou a consciência, mas sim, com a “sensitividade do universo”, ocupam o intervalo entre a quinta e a sexta iniciações.

Iniciação VI. Decisão. Raio III

Acabamos de concluir nosso estudo sobre os raios e as cinco iniciações, e pouco mais há que eu possa dizer-lhes sobre as quatro iniciações restantes, com exceção de um ou dois pontos sobre a sexta Iniciação da Decisão, a qual é governada pelo terceiro Raio da Inteligência Ativa.

A única razão porque estou fazendo alguns comentários sobre a sexta iniciação é que, nesta época, um número de Mestres estão dando este grande passo, e porque ela tem uma peculiar aplicação para a época do reaparecimento do Cristo.

Nesta Iniciação da Decisão, o Mestre geralmente decide qual dos sete Caminhos Ele pretende trilhar. Alguns Mestres decidem permanecer até o final de nossa Vida planetária, quando então, “o último cansado Peregrino terá encontrado o caminho de casa”. A Terra pode, então, ser preparada para uma nova Humanidade. Quando isto acontecer, o nosso planeta não mais será conhecido como um planeta de dor e sofrimento, mas distinguir-se-á por uma qualidade de tranquilidade e por uma aura de calma potência onde a vontade de Deus (que será demonstrada no próximo sistema solar) será focalizada; isto - de modo algo misterioso - capacitará o Logos solar (não o Logos planetário) a trazer o primeiro grande primeiro aspecto, o da Vontade ou Poder, à expressão por todo o sistema solar. Assim, em vez da afirmação que explica nosso atual sistema solar, “Deus é Amor", nós teremos a expressão dinâmica da vontade-para-o-bem - uma energia que, até certo ponto, terá sido gerada em nossa Terra. Esta é a recompensa que a atual humanidade da Terra colherá, e esta é a consumação de uma tarefa pré-ordenada de nosso Logos planetário. Ele incumbiu-se, quando veio à encarnação (por meio de nosso pequeno planeta), de ajudar o trabalho do Logos Solar na expressão do aspecto vontade da divindade.

Poderia ser mais simples se eu dissesse que o experimento de manifestar o primeiro aspecto divino, por meio da forma e através de uma humanidade que tem atrás de si a experiência de cinco iniciações (e está, portanto, expressando amor inteligente), será tentado. Esta declaração é necessariamente enganadora, porém, incorpora uma verdade e indica a inacabada história da expressão solar.

Hoje, porém, ao receber esta sexta iniciação, todos os Mestres e sob a sugestão do Cristo, continuam a tomar a decisão que controlará Seu futuro progresso em um dos sete Caminhos da Evolução Superior, porém, ao mesmo tempo, todos Eles estão adiando Seu proposto progresso no Seu Caminho escolhido, por algum tempo, para implementar e ajudar o trabalho do Cristo e ajudar na exteriorização da Hierarquia por meio de certos dos Seus Ashrams. Eles estão, também, formando uma parede protetora ao redor do Cristo, e agindo como oficiais de ligação entre Seu grande Líder e o Avatar de Síntese.

O próprio Cristo recebeu esta iniciação há algum tempo e passou pela Iniciação da Ressurreição e a experiência da sétima iniciação. Estes Mestres, de um modo misterioso, podem implementar a expressão da divina vontade-para-o-bem na Terra. Eles trabalharão em colaboração com Aqueles Mestres Cujos Ashrams serão os primeiros a serem ancorados na Terra no sentido de expressão física, porque, esotericamente falando é “a vontade de Deus que os mantém lá".

Durante eras, a potência daquilo que jaz por trás da quinta iniciação - no sentido planetário e não em conexão com a iniciação individual com sua revelação indicando o propósito do primeiro raio - tem exercido o domínio sobre a Terra. O conhecimento, a revelação dos Mistérios, a consecução dos feitos científicos, produzindo a atividade do quinto plano da mente, tem governado o pensamento e progresso humanos; Deus na natureza, isto é, o Logos planetário em expressão concreta e material, foi revelado, e isto culminou naquela tremenda expressão de poder - a bomba atômica.

Agora, a potência daquilo que jaz por trás da sexta iniciação dominará o processo evolutivo e implementará o propósito divino. Qual potência ela possa, na verdade, ser, nós não podemos saber ainda; sabemos, porém, que ela está estreitamente ligada à vontade-para-a-síntese; isto capacitará o Cristo a quebrar as barreiras e paredes de separação que a humanidade egoísta, autocentrada e materialista (largamente com a ajuda das igrejas do mundo com sua tendência materialista) construiu, desse modo deixando penetrar a luz do entendimento e abrindo o caminho para uma expressão mais plena da vontade de Deus.

Achei que o aspecto prático daquilo que os Mestres estão fazendo poderia ser útil a vocês. Quanto às três iniciações restantes:

Iniciação VII ..... A Ressurreição ..... Raio II
Iniciação VIII ..... A Grande Transição Raios ..... IV, V, VI, VII (Os quatro Raios menores)
Iniciação IX ..... A Recusa Raios ..... I, II, III (os três Raios principais)

uma análise delas apenas lhes provaria que sua compreensão ainda não foi desenvolvida até o ponto em que o entendimento é possível. Se vocês relerem as instruções anteriormente dadas sobre os sete Caminhos vocês poderão recolher algumas ideias sobre essas últimas iniciações. Contudo, elas não teriam aplicação possível e utilidade prática na etapa particular de desenvolvimento evolutivo em que vocês se encontram.

AS SETE E AS NOVE INICIAÇÕES DE NOSSA VIDA PLANETÁRIA

Voltemo-nos agora para estas iniciações sob o ângulo da Vida planetária, na medida em que nos é possível. Há muito tempo temos olhado para elas sob o ângulo da humanidade, o discípulo mundial, assim como sob o ângulo do iniciado individual, mas não deve ser esquecido que estas iniciações também têm um significado planetário. Do ponto de vista da Hierarquia e de Shamballa, elas constituem os principais fatores que tornam possível o processo iniciatório na Terra entre os homens.

Isto naturalmente significa em relação ao nosso Logos planetário. É preciso jamais esquecer que é o progresso avançando sobre o Seu escolhido Caminho cósmico que torna possível todo o processo evolutivo. Assim como um Mestre Que fez a quinta iniciação tem que projetar Seu próprio específico empreendimento, por meio de Seu Ashram, provando assim Sua resposta ao aspecto vontade do Logos planetário e fazendo-Se responsável por uma fase do Plano planetário, também assim o Logos planetário - sob a Lei de Síntese - tem que levar avante um projeto específico de acordo com a vontade do Logos Solar. É isto que o nosso Logos planetário está em processo de fazer, estabelecendo uma definida cultura onde o germe da vontade solar possa ser desenvolvido em um de seus aspectos. Então - em conjunção com um projeto similar em andamento em dois outros planetas, assim desenvolvendo dois outros aspectos - o núcleo do terceiro sistema solar será, eventualmente, trazido à expressão.

É difícil para a mente humana apreciar esta síntese básica e este relacionamento que existe no sistema solar inteiro, com os Logoi planetários implementando o propósito divino; os homens não conseguem ainda captar as relações dentro do aspecto personalidade do nosso Logos planetário - a Terra e tudo que nela existe. Porém, essa síntese existe é o fator relacionador entre nossa Terra e o Sol, entre os vários Logoi e o Logos Solar. Tudo que podemos fazer é obter um quadro geral das iniciações planetárias, as sete iniciações e as nove.

A única maneira pela qual nós podemos captar mesmo que uma pequena medida da intenção planetária é através de um estudo das grandes civilizações que têm sido desenvolvidas pela humanidade sob a impressão
vinda das mais elevadas fontes espirituais sobre o nosso planeta, as quais têm nos alcançado via a Hierarquia. A estas civilizações é preciso somar-se as culturas que delas de desenvolveram. Isto obviamente nós não podemos fazer, pois isso exigiria uma pesquisa de todos os períodos e ciclos históricos conhecidos e desconhecidos, além de uma consideração de todas as evidências antropológicas, arquiteturais e sociológicas. A esta abordagem ao intento e propósito do Logos planetário é preciso somar-se uma consideração de certas crises na vida da humanidade que têm o caráter de iniciações menores às quais o Logos planetário Se submeteu, no sentido de que Ele é o Iniciador. A humanidade, sendo o mais altamente desenvolvido produto evolutivo no nosso planeta, reage a essas iniciações; elas produzem eventos mundiais, e aqueles estupendos pontos de crise que até agora têm trabalhado destrutivamente no que diz respeito ao aspecto forma, mas que avançaram para aquelas etapas de desenvolvimento e progressão quando o trabalho dos Construtores, o segundo aspecto divino, lhe é somado e tira partido da liberdade ou libertação provocada pelo Destruidor, o primeiro aspecto. Há sempre estas duas fases.

Através das civilizações passadas e sua eventual catastrófica destruição, o Logos planetário tem gradualmente preparado o terreno ou campo planetário para o “plantio do germe da Vontade” - cujo desenvolvimento é uma parte futura do destino humano. As sete principais fases do desenvolvimento da raça humana (sendo nossa moderna raça ariana a quinta) têm o mesmo caráter das sete iniciações ou desenvolvimentos; a palavra “iniciação” não é para ser entendida aqui exatamente do mesmo modo que as iniciações humanas são compreendidas e interpretadas. Os homens são iniciados nas fases da divina consciência através da estimulação aplicada por meio da qual seus veículos mostram estar prontos; em relação ao Logos planetário, foi Ele que iniciou um novo processo em sete fases, processo esse preparatório para a esperada plantação divina. É preciso ter em mente que o uso da palavra “plantação" é puramente simbólico. Cada fase traz mais perto a frutificação do propósito divino ou projeto espiritual, e é para isto que Sanat Kumara veio à manifestação ou encarnação.

Cada uma destas fases afeta todos os quatro reinos da natureza, produzindo, a cada etapa, uma sensibilidade maior, mas é somente no quarto reino, o humano, que existe a possibilidade de um registro consciente e reconhecimento do intento divino e uma leve resposta vibratória ao aspecto vontade da divindade. Foram necessários incontáveis milênios para produzir isto. Quando vocês se lembrarem que foi somente na atual crise mundial que o Logos planetário ousou submeter as formas em todos os quatro reinos à estimulação direta de Sua vontade impulsionadora, vocês compreenderão que a extraordinária imensa paciência é talvez a Sua mais destacada característica. A paciência é uma qualidade da vontade; ela tem o caráter de uma estreita adesão a uma intenção fixa. A cada transição de uma civilização para outra - cada uma construída sobre a semente cultural da que a precedeu, depois do devido florescimento da civilização - nós podemos dizer sobre Sanat Kumara o mesmo que foi dito sobre o Cristo, “Ele vê o trabalho de Sua alma e é satisfeito”. Tão cegos são os homens que, quando uma civilização chega ao fim, e quando o modo familiar de expressão cultural é posto sob a mão do destruidor, a humanidade vê isso como uma grande tragédia e teme a ruína que geralmente rodeia tal evento. Mas, sob o ponto de vista dos significados mundiais, vê-se o progresso e a aproximação do dia da consecução, da satisfação.

Nossa moderna civilização - sob o martelo do aspecto destruidor - está hoje sendo mudada: coisas velhas estão morrendo, tendo servido ao seu propósito. A coisa nova não é ainda notada ou apreciada, embora já esteja presente. O trabalho de preparação para o plantio do germe ou semente da vontade divina na Terra está quase terminado; quando a Hierarquia Se exteriorizar, e os homens como um todo reconhecerem a posição, na Terra, do Cristo e de Sua igreja “invisível” (a união de todas as almas tornadas perfeitas, o que é a verdadeira descrição da Hierarquia), então - de modo imprevisto para a humanidade - Shamballa assumirá o controle, e da Câmara do Conselho de Sanat Kumara surgirá o Semeador da semente; Ele a semeará no terreno preparado pela humanidade, e assim o futuro está assegurado, não só para o Logos planetário, mas para o Todo maior no qual nosso planeta executa sua pequena parte. Esse momento está adiante na civilização que virá, e na próxima grande raça que emergirá de todas as nossas raças e nações modernas, a semeadura terá lugar. A próxima raça será uma fusão do todo, e um reconhecimento mundial da Humanidade Una é um essencial pré-requisito do plantio. É a criação deste reconhecimento universal que será uma das principais tarefas do reaparecimento do Cristo e a Sua Hierarquia assistente. Quando “as pequenas vontades dos homens” começarem a responder em larga escala à Vontade maior da Vida divina, então, a principal tarefa de Shamballa tornar-se-á possível. Porém, antes disso, a humanidade precisa responder à luz e ao amor que são as correntes preparatórias da energia espiritual e que já estão fluindo em resposta à invocação humana.

Compreendendo os processos iniciatórios planetários como instituídos pelo Logos planetário, os homens precisam relacioná-los com as grandes crises que têm ocorrido em todas as raças dos homens. Assim como o discípulo-iniciado passa de uma iniciação para outra através de um processo de continuamente deixar para trás aqueles aspectos da vida da forma que foram destruídos por ele como inúteis, também a humanidade deixa para trás uma civilização após outra, sob o estímulo do evolutivo propósito de Sanat Kumara Que inicia constantemente aquilo que é novo e aquilo que melhor servirá à Sua vontade. Os homens tendem a pensar que todo o processo evolutivo - incluindo o desenvolvimento dos reinos subumanos da natureza - é meramente um modo pelo qual os homens podem alcançar a perfeição e desenvolver melhores formas por meio das quais possam manifestar essa perfeição. Porém, em última análise, o progresso humano é puramente relativo e incidental. O fator de suprema importância é a habilidade do Logos planetário para levar a cabo Sua primária intenção e trazer Seu “projeto” à perfeita consumação, cumprindo assim a tarefa que Lhe foi dada por Seu grande superior, o Logos Solar.

A oitava e nona iniciações (das quais nem vocês nem eu sabemos praticamente coisa alguma) relacionam-se às iniciações daqueles métodos e técnicas pelos quais “a semente da vontade”, que florescerá mais tarde no terceiro sistema solar, pode ser nutrida e fomentada e crescer. Esta será a tarefa de um grupo de Mestres a ser desenvolvida na próxima grande raça, os Quais, na Iniciação da Decisão, a sexta iniciação, Se dedicarão, como um grupo, ao Caminho do Serviço Terreno. Especificamente e com plena iluminação Eles Se devotarão à promoção do projeto de Sanat Kumara. Com este projeto, o nosso atual grupo de Mestres não está especificamente envolvido; Sua tarefa é a aplicação do processo evolutivo visando a preparação do campo do mundo para a divina futura semeadura.

Mais não posso dizer. Tudo que fiz foi dar-lhes uma pista quanto ao significado das iniciações, instituídas pelo Senhor do Mundo. Estas não são, devo repetir, iniciações às quais o próprio Logos planetário esteja sujeito. As crises mundiais, que sempre precedem a iniciação em escala planetária, são parte do trabalho preparatório, testes e provas que tornam possível alguma iniciação cósmica à qual Ele tenha sido ou será eventualmente submetido. Com elas nada temos a ver, nem vocês entenderiam mesmo que eu pudesse ser mais explícito. A Lei da Analogia e das Correspondências interrompem-se num certo ponto do caminho da compreensão, e algo novo e completamente diferente aparece. A Lei da Analogia aplica-se quando considerando o microcosmo dentro da vida do Macrocosmo, porém se nos aventuramos fora dessa Vida limitada e manifestada - se isso fosse possível, o que não é o caso - iríamos contatar outras Leis e outras abordagens da verdade existentes em níveis cósmicos.

Pouco mais há que eu possa dizer sobre as iniciações planetárias ou - como seriam mais corretamente chamadas - os processos iniciatórios planetários. Eles afetam toda a nossa vida planetária, mas não são essencialmente iniciações como nós entendemos o termo, ou como essa palavra poderia ser aplicada a Sanat Kumara. Eles são uma parte definida do processo cósmico e particularmente da evolução solar, mas são, como vimos, apenas preparatórios para aquela iniciação para a qual nosso mundo foi feito - a manifestação na Terra do mais elevado dos três aspectos: a VONTADE de DEUS, como é universalmente chamado.

Início