Navegação

Página Inicial

AS INICIAÇÕES


O Tipo Particular de Energia Envolvida e seu Efeito Iniciatório.

Aqui estamos diante de um problema básico, isto é, a natureza do Princípio de Conflito que é a destacada característica deste quarto Raio da Harmonia através do Conflito. De forma alguma é este um assunto fácil de abordar ou tornar claro, porque a correção de conflito, seu naturalmente separativo e eliminatório efeito e seu poder de condicionar não só a Humanidade, mas também a Hierarquia, terão que ser considerados. Quando estudarmos a quarta iniciação, a da Renúncia, os efeitos de sua atividade surgirão mais claramente.

Fundamentalmente, este quarto raio é aquele que é responsável pelas tensões e pressões e o conflito inicial entre o grande par de opostos a que damos o nome de espírito-matéria. É a energia deste quarto raio que torna aparente a distinção, tão frequentemente mal compreendida, entre o bem e o mal. Nos dias de Atlântida, os líderes dos homens, sob a influência predominante da energia do quarto raio, tomaram uma decisão que enfatizou o aspecto matéria, de acordo com seus desejos e sua reação emocional, a qual está presente na dualidade essencial da manifestação, e assim, inauguraram a Era do Materialismo. Esta era cultivou-se a si mesma através do cupidez, do ódio, da separatividade e da agressão que as acompanharam. Durante o século vinte, este materialismo conduziu à guerra mundial que foi, na realidade, a expressão de uma mudança de orientação, e portanto, até um certo ponto, de um próximo triunfo do Bem.

A balança está, muito lentamente, pendendo para o lado do aspecto espírito da dualidade; mesmo em intenção, não pendeu completamente, mas os assuntos estão se tornando cada vez mais claros na mente dos homens e as indicações são de que o homem afinal decidirá corretamente, alcançará um ponto de equilíbrio e, finalmente, teremos a opinião pública voltada para os valores espirituais, levando assim a uma renúncia coletiva do materialismo, particularmente em suas formas físicas mais grosseiras. O tempo não é ainda chegado, mas está em processamento um grande despertar. Os homens, porém, somente verão, corretamente, quando este Princípio do Conflito estiver apropriadamente avaliado como uma necessidade espiritual e for usado pela humanidade como um instrumento para produzir a saída destes princípios e controles errados. Assim como o discípulo individual usa esse Princípio do Conflito para sair do controle da matéria nos três mundos, começando com a emergência do controle do corpo físico, saindo do controle da natureza emocional e formulando para si próprio uma ideologia espiritual que lhe permite sair do controle dos três mundos das formas, e assim começar a funcionar como uma personalidade permeada pela alma, também assim a humanidade tem de fazer o mesmo em formação de massa.

Todo este processo culmina quando a quarta iniciação, a Grande Renúncia, é feita pelo homem hoje, e pela humanidade num futuro distante; este “ponto de saída” é alcançado pela correta decisão e como resultado de um uso correto do Princípio do Conflito.

Será óbvio para vocês que este Princípio do Conflito está estreitamente relacionado com a morte. Por morte, quero dizer a extração das condições da forma - física, emocional ou mental; quero dizer o cessar do contato (temporário ou permanentemente) com a forma física, com a miragem astral e com a ilusão mental; quero dizer a rejeição de Maya, o nome daquele efeito todo-inclusivo que domina o homem que está imerso em materialismo de qualquer espécie, e é, portanto, vencido (sob o aspecto da alma) pela vida nos três mundos. É o Princípio do Conflito, latente em cada átomo da substância, que produz, antes de tudo, conflito, depois renúncia, e finalmente, emancipação; que produz guerra de uma forma ou de outra, depois rejeição e, finalmente, liberação. Como podem bem ver, este princípio está estreitamente ligado à Lei do Carma; é a este princípio que Annie Besant se refere quando diz em um de seus livros que a substância da qual todas as formas são feitas já está - desde a aurora do processo criativo - tingida pelo carma. Há um significado profundamente oculto no pensamento, frequentemente expresso, de que a morte é o grande Libertador; isso significa que o Princípio do Conflito conseguiu provocar condições onde o aspecto espírito é liberado (temporária ou permanentemente) do aprisionamento em alguma espécie de vida na forma, seja individual ou grupal.

Todos vocês, como discípulos ou aspirantes, serão capazes de interpretar o trabalho deste princípio à medida que observarem o efeito, em suas vidas, da ação das tensões e pressões, os pontos de crise ou de tensão que o conflito entre a alma e a personalidade produzem. O conflito está sempre presente anteriormente à renúncia, e é somente nesta grande quarta crise espiritual que o conflito, como nós o entendemos, termina. Nos reinos da vida sem forma, nos quais a Hierarquia vive, move-se e tem a sua existência, o conflito que desenvolveu no homem o sentido da escolha discriminativa é superado pelas crises de decisão - não a decisão baseada na percepção discriminativa entre o certo e o errado ou entre espiritualidade e materialismo, mas crises de decisão baseada na percepção do Plano, participação no Propósito, e na prevenção do mal. Gostaria que refletissem sobre estas três frases que distinguem as crises de decisão que confrontam o Mestre depois da quarta iniciação, e que tomam o lugar das crises de discriminação que precedem a essa etapa:

Percepção do Plano.
Participação no Propósito.
Prevenção do mal.

Estas decisões estão baseadas, primeiramente, na boa vontade para com todas as formas nos três mundos, e em segundo lugar, na von-tade-para-o-bem que impulsiona e implementa os três aspectos criativos e em manifestação da divindade.

Estas são coisas profundas de que falamos; é aconselhável lembrar que todas as crises no mundo material - individuais e as relacionadas com a humanidade como um todo - são governadas pelo Princípio do Conflito, enquanto que as crises no mundo espiritual são controladas pelo princípio esotérico, o Princípio da Decisão.

O Princípio do Conflito é o principal fator por trás da evolução da forma como campo de experiência para a alma nos quatro reinos da natureza: o humano e os três subumanos. Está baseado no fator intelectual de discriminação que é inerente ao mais pequenino átomo da substância, e que alcança sua plena expressão na humanidade avançada; as indicações de que ele alcançou seu propósito, no que diz respeito à humanidade, encontram-se na passagem pela Iniciação da Renúncia. O Princípio da Decisão que controla o Mestre governa Seu trabalho dentro da Hierarquia, em relação a Shamballa e em conexão com todo o serviço prestado nos três mundos; está baseado na energia do segundo Raio de Amor-Sabedoria, assim como o Princípio do Conflito está baseado na energia do terceiro Raio da Inteligência Ativa. Este Princípio da Decisão, como fator controlador, é posto à prova na sexta iniciação, a Iniciação da Decisão. Nessa época, o aspecto vontade da divindade resume, de uma maneira única, todas as conquistas passadas dos dois princípios e introduz um ciclo final de desenvolvimento ao qual não posso dar um nome verdadeiramente apropriado, mas que culmina na nona Iniciação da Recusa. Vocês têm, pois, em relação a estes princípios, que estão todos relacionados com a Lei do Carma, três grandes iniciações nas quais a efetividade da liberação produzida por suas ações inerentes é, finalmente, testada:

1. A Iniciação da Renúncia ... 4a Iniciação.
O Principio do Conflito Governada pelo Raio IV Ativo no Reino Humano, o 4°
Conduzindo à correta Discriminação

2. A Iniciação da Decisão ... 6a Iniciação
O Princípio da Decisão Governada pelo Raio III Ativo na Hierarquia
Conduzindo à correta Percepção e Participação 

3. A Iniciação da Recusa ... 9a Iniciação
O Princípio do Ser liberado (podemos chamá-lo assim?)
Governada pelos três Raios principais Ativos em Shamballa
Conduzindo a um ou outro dos 7 Caminhos

Na tabulação acima, vocês têm um quadro amplo e geral de três grandes Princípios, conduzindo a três grandes eventos espirituais, cada um dos quais é uma expressão da personalidade, da alma e da Mônada. Onde a humanidade como um todo está envolvida, o efeito recai sobre a alma reencarnante do reino humano, a seguir sobre as almas liberadas dos membros da Hierarquia, e finalmente, sobre o Ser que é distintivo do Conselho de Shamballa.

Aparece, assim, uma síntese planejada, produzindo imutabilidade, inevitabilidade e correta previsão; é, também o resultado da liberação do livre arbítrio, e de modo algum, infringe o direito do indivíduo ou discípulo da livre escolha, uma vez que o Princípio do Conflito tornou-o consciente do dualismo básico dos mundos manifestados. Isto lhe apresenta um campo de batalha e um campo de experiência onde ele faz grandes escolhas experimentais e, eventualmente, chega à correta orientação e à porta da iniciação, progressivamente a ele reveladas como resultado da escolha correta, da percepção correta, e da correta decisão. Desse modo são cobertas as nove iniciações.

O Princípio do Conflito tem uma estreita conexão com o Caminho do Discipulado, e nisto reside a razão para o aspecto inclusivo e sintético do presente conflito mundial; embora os aspectos físicos do conflito estejam grandemente diminuídos hoje (mas ainda presentes em pequena escala em várias partes do mundo), o conflito não está, de forma alguma, terminado ou ainda resolvido. Está sendo, ainda, violentamente travado, pela humanidade avançada, no plano mental e, pelas massas, no plano das reações emocionais; demorará ainda algum tempo antes que a guerra tenha um fim.

Não poderia haver, contudo, um desastre mais sério do que um fim por demais abrupto deste embate de reações emocionais da humanidade e das ideologias correntes. É essencial que os assuntos se tornem ainda mais claros nas mentes dos homens, antes de qualquer escolha ou decisão finais. É preciso que isto seja lembrado, e os estudantes deveriam evitar o desencorajamento e treinarem-se para esperar com otimismo espiritual que o caminho da humanidade se torne mais claro. Uma escolha rápida demais a esta altura provaria ser apenas uma decisão arranjada, baseada em oportunismo e impaciência. A Hierarquia não está, de forma alguma, desencorajada, embora um tanto preocupada de que a escolha do tempo possa não estar correta.

O Princípio do Conflito é familiar a todo aspirante que luta e condiciona toda a sua vida, produzindo crises e tensões, às vezes, quase insuportáveis. No entanto, elas indicam rápido desenvolvimento e firme progresso. A atividade deste princípio está grandemente aumentada atualmente devido aos seguintes acontecimentos (Cinco Grandes Acontecimentos Espirituais):

1. A crise das ideologias.

2. O despertar da humanidade para melhor entendimento.

3. O crescimento da boa vontade que leva à apresentação de certas clivagens fundamentais que precisam ser transpostas pelo esforço humano.

4. A parcial “vedação da porta onde mora o mal."

5. O uso da Grande Invocação com seus extraordinários e rápidos efeitos, no presente não percebidos por vocês.

6. A gradual aproximação da Hierarquia a uma mais estreita e íntima relação com a Humanidade.

7. O iminente retorno do Cristo.

Há outros fatores, porém estes bastarão para demonstrar-lhes a crescente expressão do conflito sobre os três níveis da evolução estritamente humana. É um conflito que envolveu as massas, em toda parte, que ainda está produzindo conflito físico, tensão emocional e tremendas consequências mentais, e que diminuirá grandemente quando as massas, em toda parte, estiverem convencidas de que corretas relações humanas são de importância muito maior do que a ganância, o orgulho humano, o apoderar-se de terras, e as posses materiais.

O Efeito da Energia da Harmonia através do Conflito sobre a Humanidade

Será óbvio que esta energia de raio, corporificando o Princípio do Conflito, tem um efeito único e curioso sobre relacionamentos. Isto é devido à inter-relação deste Raio da Harmonia através do Conflito e o segundo Raio de Amor-Sabedoria; este segundo raio é, primariamente, o raio das corretas relações humanas - no que diz respeito ao quarto reino na natureza. A energia do amor governa todas as relações entre almas e controla a Hierarquia, o Reino das Almas; a energia da sabedoria deve governar todas as relações dentro do quarto reino, o humano. Algum dia, isto será inevitavelmente assim, daí a ênfase posta sobre a necessidade de personalidades permeadas pela alma no mundo hoje, como revelado por todas as escolhas verdadeiramente esotéricas.

Pode dizer-se que o efeito do Principio do Conflito, operando sob o Raio IV, e controlado pelo Raio II, será - no que se refere à humanidade - produzir corretas relações humanas e o crescimento do universal espírito de boa vontade entre os homens. Somente os mais ignorantes e incultos pensadores falhariam em ver que estes dois resultados do conflito, engendrado nesta época, são os dois mais desejados fatores pelos quais devem trabalhar todos os homens de boa vontade. O fluxo de energia para a humanidade nesta época está todo a favor de tais esforços, e o Princípio do Conflito tem trabalhado tão efetivamente que todos os homens estão desejosos de harmonia, paz, equilíbrio, correto ajustamento à vida e circunstâncias, e corretas e equilibradas relações humanas.

Em todos os países e entre todos os tipos de homens - sinceramente ou sem sinceridade - a mensagem dos jornais, do rádio e das plataformas de palestrantes é a favor da harmonia e um vasto reconhecimento dos necessários ajustamentos. Mesmo as forças do mal que ainda permanecem ativas escondem seus ambiciosos propósitos por trás de um espúrio desejo de unidade mundial, harmonia mundial e corretas relações humanas. As massas em todo mundo estão convencidas pela evidência tornada disponível pelo Princípio do Conflito de que as mudanças básicas na atitude e metas do homem precisam ser efetuadas, se quisermos que a humanidade sobreviva. As massas estão, por seus próprios meios, sábia ou imprudentemente, procurando uma solução.

A guerra produziu grande bem - apesar da destruição de formas. As causas da guerra estão melhor compreendidas; os assuntos envolvidos estão, lentamente, sendo esclarecidos; a informação sobre todas as nações - mesmo quando incorretamente apresentada - despertou a humanidade para o fato de Um Só Mundo; a comunidade da dor, tristeza, ansiedade, fome e desespero aproximou todos os homens, e esta relação é um gerador de harmonia muito maior do que pensa o homem; o mundo dos homens hoje está mais estritamente unido subjetivamente (apesar de todas as clivagens externas e conflitos) do que jamais antes na história humana; há uma determinação mais firme para estabelecer corretas relações humanas e uma percepção mais clara dos fatores envolvidos; o novo Princípio da Partilha, inerente ao segundo Raio de Amor-Sabedoria, que diz respeito tão fundamentalmente aos relacionamentos, está ganhando terreno, e sua potência está sendo liberada pela atividade do quarto Raio da Harmonia através do Conflito. Este Princípio da Partilha, embora ainda divorciado de qualquer sansão oficial, está sob consideração e será, algum dia, o fator governante na vida econômica do mundo, regulado e controlado por aqueles homens que estão alertas quanto à necessidade no plano físico.

Este Princípio do Conflito está, também, ativo em todas as instituições, grupos e organizações em todos os países e em todos os departamentos do pensamento humano. Seus resultados são, primeiro, o despertar da humanidade para certos grandes desenvolvimentos e possibilidades e, segundo, levará a certas renúncias básicas, uma vez que os assuntos sejam claramente vistos e a clivagem que na realidade existe entre os desejáveis valores espirituais e os indesejáveis valores materiais se tenha tornado clara. Na política, por exemplo, o sistema de dois partidos está baseado numa premissa correta, porém, no presente, não é um sistema satisfatório devido à estupidez humana. Ele vale para os grupos reacionários em todos os países e para o partido progressista que está alerta para as novas possibilidades. Um partido propõe-se a reter a vida do espírito, a clarear pela obstrução e a evitar o avanço demasiadamente rápido daqueles que são impacientes e imaturos; o partido progressista deve estar composto por aqueles que estão conscientes dos assuntos desnecessários e velhos, e que servem de guias o tempo todo, mesmo que embora frequentemente lhes falte habilidade na ação. Uma clara linha de demarcação entre os dois básicos partidos mundiais ainda não é possível, e tão pouco os valores espirituais dos dois grupos são apreciados pelas massas não pensantes. Hoje, a política dos partidos é tão egoísta, e portanto, tão reacionária quanto a massa dos homens; o real bem da humanidade não é a meta da maioria dos políticos em qualquer dos grupos, uma vez que sua própria egoísta ambição e o desejo de preservar uma certa ideologia política que lhe trouxe o poder são a meta de seus esforços.

O Princípio do Conflito está também influindo nas igrejas, porém, infelizmente, mais vagarosamente, devido à corrupção e soporífico efeito da teologia clerical. Quero que notem as palavras que escolhi; eu não disse “da cristandade”, pois a verdadeira cristandade, como Cristo a ensinou, está livre de abusos teológicos e precisa ser restaurada ou - talvez mais acuradamente - alcançar seu primeiro estágio de expressão.

Em toda parte, o quarto Raio da Harmonia através do Conflito está ativo na família humana e está dominando os assuntos humanos; em toda parte, na vida do indivíduo, na vida dos grupos, organizações e igrejas, na vida das nações e na vida da humanidade como um todo, os assuntos estão se tornando mais claros, e a humanidade está sendo conduzida de uma renúncia a outra, até que, algum dia, o reino humano unido receberá a quarta iniciação e a Grande Renúncia será aceita. Este passo, ainda muito distante no futuro, afiliará a humanidade com a Hierarquia e libertará milhões de homens da servidão do materialismo. Este momento na história humana chegará inevitavelmente. A primeira indicação de que já foi vislumbrada a distante visão pode ser, talvez, notada no predominante instinto de partilha, motivado, atualmente, pelo instinto de autopreservação, mas definidamente desenvolvendo-se como um possível modo de ação, no distante horizonte do pensamento humano. A verdadeira partilha, definidamente, envolve muitas pequenas renúncias, e é sobre essas pequenas renúncias que a capacidade para a liberdade está, lentamente, sendo gerada e o hábito da renúncia pode, eventualmente, ser estabilizado; esta capacidade e estes hábitos, estas altruístas atividades e estas atitudes espirituais habituais são as etapas preparatórias para a Iniciação da Renúncia, assim como o esforço para servir aos seus semelhantes é preparatório para receber a terceira Iniciação da Transfiguração.

O Fator do Raio do Amor-Sabedoria à medida que ele controla o Raio da Harmonia através do Conflito e implementa o Retomo do Cristo.

No primeiro parágrafo desta instrução, eu atribuí a inevitabilidade do iminente retorno do Cristo à decisão da humanidade de precipitar o conflito existente no plano físico, determinando, assim, a esfera da atividade do Cristo. Em ensinamentos anteriores também assinalei que Ele poderá vir em um dos três modos ou, simultaneamente, em todos os três. Os assuntos que emergiram como resultado do conflito no plano físico, e de sua mudança, hoje, pela decisão do homem, para o plano mental, tornaram completamente evidente o fato de que o local da influência do Cristo será, portanto, todos os três mundos da evolução humana, o que, naturalmente, inclui os níveis físicos de experiência e exige Sua Presença física.

Deixem-me tornar os fatos um pouco mais claros e estender-me um tanto sobre os três modos de Sua aparição, de Sua vinda, Seus advento e o Seu reconhecimento físico pela humanidade:

1. Pela influência que Ele exercerá sobre todos os iniciados e discípulos que estão hoje, ou estarão na época de Sua chegada, ativos nos três mundos da evolução humana. Isto envolve a influência que, telepaticamente, Ele exercerá sobre suas mentes. Esta influência será Seu principal trabalho sobre o plano mental. Isto constituirá um de Seus métodos mais efetivos na Sua proposta interferência nos assuntos mundiais. Por intermédio destes membros ou afiliados à Hierarquia, Ele terá postos avançados de Sua consciência em todas as nações, e através deles, Ele poderá trabalhar.

2. Pelo jorrar da vida ou consciência crística sobre as massas em toda parte. Este influxo espiritual ocasionará a reorientação do desejo humano e evocará a reação emocional à Sua Presença. Isto, portanto, traz o plano astral para dentro da esfera ativa de Sua influência; isto envolve a liberação da energia da boa vontade para os corações dos homens, predispondo-os para as corretas relações humanas. É este estabelecimento de corretas relações o principal objetivo de Sua vindoura atividade tríplice. As massas, em toda parte, serão responsivas ao trabalho e mensagem do Cristo, à medida que ela é implementada a partir do plano mental pelos discípulos e iniciados, influenciados pela mente do Cristo.

3. Pelo Seu aparecimento físico entre os homens. Através de Seu Próprio aparecimento imediato, Ele poderá estabelecer um potente ponto focal de energia hierárquica sobre a Terra de um modo até então impossível. Ele jamais abandonou a humanidade e manteve sempre Sua promessa de permanecer conosco todos os dias até o fim dos tempos. Os homens em toda parte saberão onde Ele poderá ser encontrado. O local deste ponto de focalização de Sua tríplice atividade espiritual não pode ser aqui revelado, uma vez que ele depende dos resultados dos processos sequenciais de influencia seguido do jorrar de energia.

O primeiro dos métodos que levarão ao eventual reaparecimento físico do Cristo já foi posto em ação; discípulos e iniciados em toda parte estão dando inicio ao trabalho preparatório para o jorrar da força crística espiritual, levando ao despertar da consciência crística (como é geralmente chamada) nos corações dos homens. Este jorro virá como resultado de três atividades:

1. O trabalho e ensinamento dos discípulos treinados e iniciados, à medida que cada um deles, a seu próprio modo, destaca a certeza da vinda do Cristo e, assim, implementa a inata expectativa das massas.

2. A evocação de uma resposta hierárquica unida através do uso da Grande Invocação. Vocês notarão como esta invocação pode ser interpretada em termos dos três modos do retorno do Cristo:

a. “flua luz às mentes humanas.”

A influência sobre as mentes dos discípulos.
A iluminação da humanidade inteligente.
O plano mental.
Estrofe I.

b. “Flua amor aos corações humanos”.

A influência sobre as massas em toda parte.
O jorrar do espírito do Cristo.
O plano astral.
Estrofe II.

c. “O Propósito que os Mestres conhecem e a que servem.”

O ancorar da energia hierárquica na Terra.
O aparecimento físico do Cristo.
O plano físico.
Estrofe III.

O quê este propósito divino pode ser será revelado pelo Próprio Cristo quando Ele chegar; o ponto focal de Sua atividade dependerá do meio que Ele usar para implementar Seu propósito - conhecido apenas por Ele e pelos membros mais velhos da Hierarquia. Caso a política seja o meio pelo qual Ele possa melhor servir, isso, então, determinará a localidade do ponto focal; caso sejam as organizações religiosas do mundo, o local será outro; caso seja o campo da economia ou das ciências sociais, um outro local será considerado apropriado. O fator determinante em qualquer dos casos, e aquele que Lhe indicará o lugar apropriado para este ponto focal, será o número, e a habilidade, e o status dos discípulos encontrados ativos no campo escolhido. Mais, não posso dizer.

3. O pedido ou prece ou expansivo desejo das massas para o aparecimento de um Libertador e para o estabelecimento de corretas relações humanas, além do trabalho de todas as pessoas espiritualmente orientadas em todas as nações e de todas as crenças. Todos estes três fatores estão hoje presentes, porém não alcançaram ainda a necessária potência para se tornarem imediatamente efetivos. Este tríplice núcleo de fatores determinantes, já está, contudo, firmemente estabelecido, e neste fato, encontramos terreno seguro para um saudável otimismo.

Devemos destacar que o Princípio do Conflito é fortemente motivado por estes mesmos fatores. A estimulação espiritual de todos os discípulos e iniciados, e a consequente estimulação de suas naturezas e de seu meio ambiente, tem que, inevitavelmente, produzir conflito; o jorrar do estimulante amor de Deus para os corações dos homens deve, igual e inevitavelmente, produzir conflito; a linha de clivagem entre os homens de boa vontade e a natureza não responsiva daqueles não influenciados por esta qualidade tornar-se-á clara, de forma abundante, útil e construtiva.

Será, também, óbvio que, quando o Cristo estabelecer o “centro ou ponto focal do propósito”, em algum lugar definido na Terra, sua radiação e potência também provocarão o necessário conflito que precede a clarificação e a renúncia de obstruções.

Porém, virá um ponto em todas estas três esferas da proposta atividade do Cristo quando o conflito será vencido pela harmonia, devido ao fato de que a energia da harmonia através do conflito está sob o controle ou influência da energia do segundo Raio de Amor-Sabedoria. No que diz respeito à soma total da humanidade, o conflito de ideias e de desejo emocional é hoje tão agudo que ele eventualmente se esvaziará a si mesmo, e os homens - com alívio e para escapar de mais tumultos - se voltarão para as corretas relações humanas. Isto constituirá a primeira importante decisão conduzindo à tão longamente esperada harmonia. A atitude das massas tenderá então para a harmonia, devido ao trabalho dos homens e mulheres de boa vontade ao implementar o “jorrar do amor de Deus para os corações dos homens”.

Nós chegamos agora a um ponto onde a inevitabilidade do retorno do Cristo está estabelecida, cientificamente e sob a lei; isto constitui um chamado que Ele não pode negar, que ele deve obedecer. Este quarto Raio da Harmonia através do Conflito trabalha (no que diz respeito ao processo iniciatório) através do coração, ou através daquilo que os esoteristas chamam “o centro do coração” - o ponto focal através do qual a energia do amor pode fluir. Quando o Cristo encontrar Seu ponto focal na Terra, este será da natureza de um pequeno centro cardíaco através do qual a energia do amor da Hierarquia pode persistentemente fluir. A harmonia (que o Princípio do Conflito produz) provoca um alinhamento, de modo que o amor - fluindo do coração de Deus - penetra nos corações dos homens; desse modo, a Hierarquia (que é o centro do coração ou o lugar onde prevalece o amor no nosso planeta) é trazido à relação com a humanidade; assim o Novo Grupo dos Servidores do Mundo (implementando o Amor de Deus e iluminado pela Mente de Deus) são postos em relação com os homens e mulheres de boa vontade em todos os países cuja tarefa é tornar os corações dos homens capazes de responder e receptivos ao amor de Deus; esta é uma outra maneira de dizer receptivos à consciência do Cristo.

Este alinhamento está agora em processo de realizar-se; ele será realizado automaticamente quanto a eficácia do Princípio do Conflito em provocar a libertação for, geralmente, reconhecida. Desse modo, os corações dos homens, o coração do planeta, isto é, a Hierarquia, e o coração da Hierarquia, o Cristo, estarão num estado de positivo contato. Quando este canal estiver aberto e desobstruído, então o Cristo virá. Nada poderá impedir Seu aparecimento e - sob a lei - Ele não poderá voltar as costas à oportunidade apresentada.

Assim, eventualmente, o Senhor de Amor - em resposta ao clamor invocativo da humanidade, suscitado pelo Princípio do Conflito - deve “seguir novamente para o elevado lugar de sacrifício e caminhar abertamente com os homens na Terra.” Seu coração, incorporando o amor de Deus, é arrastado do coração do planeta, a Hierarquia, para os corações dos homens, e o caminho do Seu retorno ao serviço na Terra permanece sem desafios e sem obstrução. Mais uma vez, sob a lei, um profundo otimismo é gerado e pode ser corretamente desenvolvido.

O centro do coração da humanidade é criado pela soma total dos corações (simbolicamente falando) de todos os homens de boa vontade (dentro ou fora das igrejas independente de seus conceitos políticos) que estão servindo a seus semelhantes, patrocinando movimentos em prol do bem-estar humano, trabalhando para o estabelecimento de corretas relações humanas, e constantemente contrabalançando a separatividade da mente humana através da inclusivididade da natureza do amor divino. Vocês têm, pois, como garantia do retorno do Cristo ao reconhecimento público, uma implementação de um grande alinhamento, o qual quando efetivamente concluído, resultará em um livre canal, ou caminho de retorno, ou linha de luz, ou poder magnético entre:

1. O centro onde a vontade de Deus é conhecida. Este é Shamballa, de onde se origina a vontade-para-o-bem. Esta vontade-para-o-bem é o amor essencial.

2. A Hierarquia, que é o centro do coração planetário.

3. O Cristo, o próprio coração do amor dentro da Hierarquia.

4. Os iniciados, discípulos e aspirantes que formam o Novo Grupo de Servidores do Mundo, procurando corporificar o amor e a luz necessárias no mundo hoje.

5. Os corações dos homens de boa vontade em toda parte que respondem ao amor à medida que ele pode expressar-se através das corretas relações humanas.

6. O ponto focal através do qual o Senhor de Amor trabalhará na Terra.

Se vocês estudarem esta sêxtupla progressão do amor divino desde a manifestação superior da Deidade até seu aparecimento por meio de algum ponto focal em nosso moderno mundo conhecido, ser-lhes-á aparente que foi criada uma “estrutura de aproximação" muito bem definida, e que um “Caminho de Retorno” está sendo construído que trará o Cristo tão longamente esperado para o nosso meio. Nada pode interromper ou evitar o Seu retorno hoje; a evidência desta estrutura pode ser vista em toda parte.

Início